Projeto

Oito soluções para energia livre em 2010

DR

Água, sol e ar são fontes de energia limpas e quase de uso livre. Visão geral de possíveis soluções para a casa ...

1. Vento: a força do vento

Obter eletricidade usando o vento é o que uma turbina eólica pode fazer. Além dos parques eólicos, cada vez mais numerosos, produzidos em massa, os indivíduos também podem instalar seu sistema: ele é chamado de pequenas turbinas eólicas. O poder dessas instalações varia de 0,1 a 20 kW. A energia produzida é então usada para alimentar um edifício isolado ou pode ser revendida. Conte entre 10.000 e 40.000 euros, dependendo do poder e da tecnologia, mas existe ajuda financeira.

As vantagens: A energia eólica é uma energia renovável e não poluente. Permite, se estiver numa zona de desenvolvimento eólico, beneficiar da obrigação de compra de eletricidade pela EDF. Mas cuidado, a galinha dos ovos de ouro pode muito bem ser menos recompensadora ao longo dos anos.

2. Solar fotovoltaica: quando os raios produzem eletricidade

Com a energia solar fotovoltaica, é possível produzir eletricidade através de energia solar. Para isso, instalamos no telhado, ou em um jardim, painéis solares contendo células (semicondutores). Estes capturarão os raios e liberarão elétrons que produzirão uma corrente elétrica contínua. Um inversor irá então transformá-lo em corrente alternada, consumível pelos aparelhos da casa, ou reinjetado na rede, tendo a EDF a obrigação de comprar a eletricidade.

As vantagens: entre 8000 e 20000 euros (ajudas são concedidas), poderá produzir uma energia que irá consumir ou revender, o que permite amortizar os custos de instalação. A manutenção é reduzida e a vida útil de uma instalação de várias dezenas de anos. No entanto, tenha cuidado com a aquisição pela EDF, cujas regras podem se tornar menos vantajosas no futuro.

3. solar térmica: água quente livre

O sol também pode ser usado para produzir água quente (CESI ou aquecedor solar de água individual), mas também aquecimento (SSC ou sistema solar combinado). Graças aos coletores solares térmicos instalados no telhado, a energia é armazenada e difundida por um piso aquecido ou por um tanque de armazenamento. Este sistema está associado a um sistema de backup para aquecimento. Contar entre 4000 e 8000 euros para um CESI.

As vantagens: um sistema solar combinado pode cobrir de 20 a 40% das necessidades. Existem vários tipos de sensores que se adaptam a todas as necessidades e se integram bem.

4. Madeira: uma fonte renovável de calor

Ele volta em força, e isso é explicado: a madeira é uma matéria-prima renovável, usada hoje em dia para aquecimento de várias formas: madeira, plaquetas, pellets. O mesmo vale para aparelhos: uma lareira aberta ou fechado, inserto, fogão, caldeira, existem muitas soluções, com desempenho variável. Uma lareira aberta, por exemplo, tem um rendimento inferior a 10%, enquanto um fogão pode chegar a 85%.

As vantagens: a grande variedade de soluções oferecidas para usar madeira como combustível. Além disso, a madeira ainda é um material barato em comparação com outras fontes de energia.

5. Bomba de calor: quando o ar exterior aquece a casa

O ar é uma reserva inesgotável de energia livre. Usá-lo para aquecer a casa no inverno e resfriá-lo no verão é uma possibilidade oferecida por uma bomba de calor (PAC) ar / ar ou ar / água, cada vez mais difundida. Assim, de acordo com a AFPA (associação francesa de PAC), dos 152 510 PAC vendidos em 2008, 133 080 usavam aerotermia. No verão, se o seu PAC for reversível, você poderá atualizar graças ao seu alojamento.

As vantagens: adaptável a qualquer situação (apartamento ou casa unifamiliar), a bomba de calor de fonte de ar é fácil de instalar na versão monobloco, e também está disponível em dois módulos separados.

6. Energia geotérmica: recursos inesgotáveis ​​sob nossos pés

A energia geotérmica consiste em recuperar o calor do porão e usá-lo para aquecer uma casa. Isso é feito usando bombas chalezur (PAC) conectadas a um sistema externo de coleta. É realizado horizontalmente com sensores enterrados a baixas profundidades (0,6 ma 1,2 m), ou verticalmente (um furo a várias dezenas de metros). No primeiro caso, a superfície de captura deve ser de 1,5 a 2 vezes a temperatura a ser aquecida.

As vantagens: bombas de calor geotérmicas podem recuperar 60 a 70% de energia livre e fornecer alto desempenho. Ambos os sistemas de captura podem ser adaptados à superfície disponível.

7. Água: nascentes de calor do porão

A água subterrânea é outra fonte gratuita de energia. É possível usá-los para aquecer uma casa, mesmo que esse sistema seja encontrado com mais frequência no setor terciário. O fluxo deve ser suficiente para garantir a produção. Para a instalação, um ou dois furos são feitos dependendo do modo de descarga de água (superfície ou no lençol freático original), que permite a conexão a uma bomba de calor (PAC).

As vantagens: os aquíferos subterrâneos variam muito pouco em temperatura, o que garante um bom desempenho nas bombas de calor. A água utilizada é gratuita e reinjetada na natureza

8. Canadian bem: calor, esfriar e ventilar naturalmente

A dois metros de profundidade, a temperatura é notavelmente estável: entre 10 e 15 ° C, o ano todo. Graças ao poço canadense ou ao provençal, é possível aproveitar essa temperatura amena para aquecer uma casa no inverno e esfriar no verão.

Para isso, um terminal de entrada de ar é instalado no jardim e conectado a um tubo subterrâneo raso. Aquecido ou resfriado, o ar que passa neste tubo é distribuído na carcaça por uma ventilação de fluxo simples ou duplo. No entanto, prefiro construir mais de renovação.

As vantagens: o poço canadense é ecológico, econômico porque não é muito eficiente em termos energéticos, barato (entre 2000 e 3000 euros, excluindo os custos de instalação). Além disso, evita a instalação de um ar condicionado e reduz a necessidade de aquecimento.